Confecção de placa de circuito impresso

No encontro que tivemos nesta terça-feira, alguns dos integrantes, como eu, tiveram o primeiro contato com uma placa de fenolite, que é usada para a confecção de um circuito impresso, juntamente com outros componentes. Vou passar um passo-a-passo com várias imagens do que foi feito para um bom entendimento de todos.

Na imagem a seguir, podemos ver que a placa está suja, com resíduos de gordura, mas é extremamente importante a limpeza dessa placa, pois num futuro procedimento, que será a corrosão, as partes sujas não serão corroídas.

Placa suja, com resíduos de gordura devido ao manuseio.

Placa suja, com resíduos de gordura devido ao manuseio.

Comparativo entre a placa que vamos usar e uma placa limpa.

Comparativo entre a placa que vamos usar e uma placa limpa.

O processo de limpeza como foi citado, é feito com uma esponja de aço.

Processo de limpeza da placa, é feito com palha de aço.

Processo de limpeza da placa.

Com a placa já limpa, utilizamos de um método muito comum que é a caneta de retro-projetor,  para demarcar os locais onde ficarão as trilhas de cobre após a corrosão. Existem vários outros métodos que são usados, como adesivos já prontos, e outros muito mais complexos, mas como o objetivo era ter um primeiro contato, nada tão complicado, usamos de um método mais prático e simples de ser feito.

Caneta para retro-projetor. É um dos meios utilizados para demarcar os locais onde ficarão as trilhas de cobre posteriormente.

Placa limpa, com a caneta para retro-projetor que foi usada para traçar as trilhas.

No desenho das trilhas, não traçamos um circuito específico, mas escrevemos o nome da empresa, apenas como exemplo. Também utilizamos o perfurador de placas de circuito para perfurarmos a placa.

Placa com o desenho das trilhas e já perfurada. O perfurador pode ser visto nesta imagem também.

Placa com o desenho das trilhas e já perfurada. O perfurador pode ser visto nesta imagem também.

Próxima parte do processo, é a corrosão da superfície metalizada. A solução corrosiva usada foi o percloreto de ferro, que é uma substância não tóxica, apresenta apenas o inconveniente de manchar todos os objetos exteriores caso aconteça um acidente.

Placa mergulhada no percloreto de ferro.

Placa mergulhada no percloreto de ferro.

O processo durou aproximadamente uns 25/30 minutos, mas nas próximas imagens podemos perceber que o cobre da placa vai aos poucos sendo corroído, permanecendo apenas a parte que está abaixo do traçado pela caneta.

Nesta imagem nota-se que as bordas do cobre já foram  retiradas pelo processo de corrosão.

Nesta imagem nota-se que as bordas do cobre já foram retiradas pelo processo de corrosão.

Placa completamente corroída. Resta apenas o cobre abaixo da área protegida pela canetinha.

Placa completamente corroída.

Após a corrosão, o correto é ser usado álcool isopropílico para a retirada da parte escrita pela caneta, mas como não tínhamos no momento, lavamos a placa em água corrente. Após isso a placa está limpa e pronta para a soldagem dos componentes.

Lavando a placa para a retirada do material que cobria as trilhas. Deve ser feito com álcool isopropílico.

Lavando a placa para a retirada do material que cobria as trilhas.

Placa limpa e pronta para a soldagem dos componentes.

Placa limpa e pronta para a soldagem dos componentes.

Para quem nunca tinha tido contato com a confecção de placa de circuito, a experiência da parte da soldagem dos componentes e a cobertura de todas as trilhas com estanho utilizando o ferro de solda, foi muito interessante.

Optamos por cobrir todas as trilhas com estanho, para dar a oportunidade aos demais colegas de praticarem a utilização das ferramentas.

Optamos por cobrir todas as trilhas com estanho, para dar a oportunidade aos demais colegas de praticarem a utilização das ferramentas.

Lucas praticando a soldagem dos componentes e utilização do ferro de solda.

Lucas praticando a soldagem dos componentes e utilização do ferro de solda.

Ricardo praticando a soldagem dos componentes e utilização do ferro de solda.

Ricardo praticando a soldagem dos componentes e utilização do ferro de solda.

Após a soldagem e a cobertura completas, a placa foi ligada no Arduíno, com o código para fazer o LED piscar. Apesar de não ser tão complexa, tivemos uma experiência gratificante.

Placa pronta e funcionando.

Placa pronta e funcionando.

E para encerrar, temos um pequeno vídeo que demonstra parte do processo de produção da placa e o seu funcionamento final.

Comments Are Closed